Depoimentos

Lá pelos 17, 18 anos, final da minha adolescência, fui diagnosticada com inúmeros distúrbios hormonais, dentre eles, um hipo-tireoidismo. Fui medicada, um remédio que eu deveria tomar todos os dias antes de levantar e que a única coisa “boa” que me ofereceria seria um efeito colateral de emagrecimento.
Tomava-o, mas sempre no horário errado. Não esperava os 15 minutos em jejum ou apenas lembrava que deveria tomá-lo no meio da tarde. Talvez fosse a voz do meu inconsciente dizendo que eu não precisava dele…
Dando-me conta dos meus lapsos, conversei com o médico, pedindo para parar o remédio. Levei uma bronca. Acreditando piamente na sua ciência, passei a tentar manter a disciplina, na maioria das vezes mau sucedida.
Ao longo do tempo, fui me envolvendo com novas aprendizagens, novos conceitos e uma nova maneira de ver a vida. Fui, então, descobrindo outros jeitos de interpretar desequilíbrios corpóreos e também de tratá-los.
Entendi que o meu problema de tireóide proveio da necessidade de agradar a todos, menos a mim, que deveria engolir tudo que me desgostava, pois a minha opinião não importava. Entendi sobre chakras, sobre energia, sobre yoga, sobre ayurveda, sobe saúde quântica.
Melhorei minhas atitudes e, sob orientação de professores da vida, resolvi a aplicar tudo aquilo que aprendera: parei de tomar os remédios. Temi no início, pois nascemos acreditando no “Deus Ciência” e quebrar os conceitos basilares da ciência newtoniana é muito difícil, ainda mais quando envolvem preceitos ancestralizados.
Depois de quatro meses, refiz os exames e estava tudo equilibrado. Meu corpo havia aprendido a se ajustar. Voltou à condição de equilíbrio natural.
Mais alguns meses passaram e, em conversa com outro médico, para o qual decidi expor o meu caso, fui novamente criticada e me foi dito os riscos de uma tireóide desregulada, dentre os quais o câncer e seqüelas intratáveis estavam incluídas. Refiz os exames laboratoriais e de imagem. Vieram com modificações. Me preocupei: ” eles estavam certos. Não há cura quântica e emocional.” Foi um baque. E todos riram dizendo “eu te disse”, “você estava errada” ou, pior ainda, “isso não existe”.
Busquei novamente ajuda daqueles que me guiam nas novas descobertas. Não conseguia aceitar o fato de o meu “experimento” ter falhado. Estava preocupada sobretudo porque estava criando em minha mente imagens que eu não queria que se tornassem reais.
Deles recebi acolhimento, tratamento e conselhos de vida. Voltei a crer em uma força maior capaz de tudo e em um ensinamento maior em tudo o que nos rodeia. Trabalhei com energia, yoga e visualizações por alguns dias e logo, refiz os exames.
Os resultados que antes foram dúbios agora estavam esclarecidos. E, então, aclarados, soube que eram nós que estávamos certos. Isso existe e é possível. Voltei ao equilíbrio.

Por: Aline Estefam

Digg This
Reddit This
Stumble Now!
Buzz This
Vote on DZone
Share on Facebook
Bookmark this on Delicious
Kick It on DotNetKicks.com
Shout it
Share on LinkedIn
Bookmark this on Technorati
Post on Twitter
Google Buzz (aka. Google Reader)

Opcional